back index CÂMARA MUNICIPAL
CURITIBA

Curitiba, 18 de setembro de 2018
 
Sim Não
controle de spam, digite o código no campo acima
Email Versão para impressão

Data: 28/02/2018 - 14:00:07

Aprovada Semana da Internet
Segura nas escolas municipais

  • Osias Moraes: “Precisamos combater o que se esconde por trás da internet. A intenção é trazer a discussão para a sala de aula”. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Aprovado com unanimidade, o projeto foi votado antes da posse dos vereadores mirins. Eles acompanharam a discussão. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Maria Leticia Fagundes alertou a encontros marcados por jovens em aplicativos de relacionamento. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • “Tenho netos pequenos e preocupa realmente o tempo que nossas crianças ficam na internet”, pontuou Ezequias Barros. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Para Julieta Reis, o projeto precisa de emenda supressiva em segundo turno. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Professora Josete: “Que esse instrumento [a web] possa ser utilizado sabendo do risco de determinados sites e outros instrumentos”. (Foto: Chico Camargo/CMC)
A Câmara de Curitiba aprovou em primeira votação unânime, na sessão desta quarta-feira (28), o projeto de lei que pretende instituir em todas as escolas municipais da cidade a Semana da Internet Segura. Segundo o autor da proposição (005.00312.2017), Osias Moraes (PRB), a definição da data e de suas atividades serão estabelecidas pela Secretaria Municipal da Educação (SME). O debate foi acompanhado pelos vereadores mirins, empossados nesta manhã.

De acordo com o projeto, que para se tornar lei depende da segunda votação em plenário e da sanção do prefeito, a  Semana da Internet Segura constará no calendário escolar da rede municipal. A matéria foi protocolada no ano passado, devido à repercussão do “jogo da baleia azul”, cujos “desafios” lançados pelos curadores levaram jovens ao suicídio e a mutilações. O autor também alertou a outros problemas da web, como cyberbullying e pedofilia.

“Temos acompanhado no Brasil e no mundo várias notícias sobre navegar na internet e a segurança de nossas crianças na internet”, disse Moraes. Ele ponderou que a internet é uma boa ferramenta, mas leu trechos de reportagens sobre o tema, como matéria do jornal “O Globo” de que a cada 10 jovens, 1 procura na web informações sobre como cometer suicídio. O parlamentar comentou, ainda, sobre a morte de uma menina de 7 anos, neste mês, por inalar gás de desodorante aerossol, incentivada por um desafio disseminado nas redes sociais.

“Precisamos conter essas práticas prevenindo. E como vamos prevenir? Com o debate”, propôs Moraes. Para ele, a semana poderá reunir atividades como palestras e jogos, de acordo com a faixa etária dos alunos. “Precisamos combater o que se esconde por trás da internet. A intenção é trazer a discussão para a sala de aula, para que os jovens e as crianças possam estar seguros. Combater essas práticas malignas de mentes diabólicas. A pedofilia, a discriminação. Quantos jovens são perseguidos, caluniados? E às vezes o pai, a mãe, não têm tempo de acompanhar. Que eles possam ter condições de definir o que é bom, estar seguros.”

No debate da proposição, Maria Leticia Fagundes (PV), que é médica legista do Instituto Médico Legal (IML), defendeu que não se pode “demonizar” a internet, mas alertou a aplicativos de relacionamento. “Existem alguns aplicativos que jovens estão usando hoje, para encontrar pessoas, para namorar. Eles [agressores] induzem a encontrá-lo fora de seu ambiente familiar [do jovem] e muitas vezes o crime ocorre por conta disso. Acho que é mais uma responsabilidade aos pais acompanhar isso”, declarou.

Para Noemia Rocha (PMDB), “precisamos restaurar o diálogo na família e os valores”. Julieta Reis (DEM) elogiou a iniciativa, mas sugeriu uma emenda supressiva aos artigos 2º e 4º para que, na análise dela, o Legislativo não interfira nas prerrogativas do Executivo. “Cabe ao prefeito decidir como vai fazer [a semana]”, disse ela. “Tenho netos pequenos e preocupa realmente o tempo que nossas crianças ficam na internet”, pontuou Ezequias Barros (PRP).

“Nenhuma criança e adolescente terá monitoramento do adulto 24 horas. Que esse instrumento [a web] possa ser utilizado sabendo do risco de determinados sites e outros instrumentos”, avaliou Professora Josete (PT). “Temos que lutar também para que as escolas tenham equipamentos [computadores] adequados para a inclusão.” Participaram do debate, ainda, os vereadores Felipe Braga Côrtes (PSD), Professor Silberto (PMDB) e Rogerio Campos (PSC).


Texto:   Fernanda Foggiato
Revisão:   Claudia Krüger
 
Reprodução do texto autorizada mediante citação da Câmara Municipal de Curitiba.


Arquivos para download:
Voltar
 

Este legislativo municipal oferece através de seu site uma visão geral dos trabalhos realizados em prol da cidade de Curitiba. Acompanhe nesta ferramenta o trabalho dos vereadores, a execução do orçamento, e tenha acesso a diversas informações institucionais e de funcionamento. Nosso objetivo maior é o de dar transparência aos trabalhos aqui realizados. Lembramos que este site está em constante atualização e melhoria. Sua visita frequente é muito importante.

© 1997 - 2018 - Câmara Municipal de Curitiba - todos os direitos reservados

Câmara Municipal de Curitiba - Rua Barão do Rio Branco, 720 - Curitiba - Paraná - Brasil - CEP: 80010-902
Fone: (41) 3350-4500 - Fax: (41) 3350-4737 - Email geral:
camara@cmc.pr.gov.br

Esse site pode ser melhor visualizado nos seguintes navegadores: Firefox 29, IE 11, Chrome 35 ou versões superiores.