back index CÂMARA MUNICIPAL
CURITIBA

Curitiba, 20 de novembro de 2018
 
Sim Não
controle de spam, digite o código no campo acima
Email Versão para impressão

Data: 04/02/2014 - 14:37:08

Câmara mantém veto parcial ao projeto de Valdemir Soares

  • “O veto impede que o estabelecimento seja multado se não cumprir a lei, ele a torna uma lei vazia, irrelevante”, defendeu Valdemir Soares. (Foto – Anderson Tozato/CMC)
  • “[A iniciativa] será inócua se todos se omitirem, se a sociedade se omitir, se o Executivo se omitir, se todos esquecerem que a regra existe", opinou o líder do prefeito, Pedro Paulo. (Foto – Anderson Tozato/CMC)
  • Presidente da Comissão de Acessibilidade, Zé Maria também participou do debate. (Foto – Anderson Tozato/CMC)
  • Chico do Uberaba foi um dos vereadores a defender a derrubada do veto. (Foto – Anderson Tozato/CMC)
  • Professora Josete justificou voto favorável à manutenção do veto. (Foto – Anderson Tozato/CMC)
  • A lei foi aprovada pelo plenário em outubro de 2013 e sancionada em novembro. (Foto – Anderson Tozato/CMC)
Por 21 votos favoráveis e 10 contrários, a Câmara de Curitiba manteve o veto parcial ao projeto de lei de Valdemir Soares (PRB), que obriga hipermercados, supermercados e estabelecimentos comerciais a disponibilizarem funcionários capacitados para auxiliar deficientes visuais na realização de compras. Dos parlamentares presentes na sessão desta terça-feira (4), apenas Tico Kuzma (PROS) se absteve da votação.

A iniciativa (005.00066.2013) foi aprovada em outubro de 2013 e sancionada Lei Municipal 14.351/2013 em 19 de novembro. No entanto, o artigo 2º da lei havia sido vetado pelo Executivo. Segundo o texto, seria aplicada multa de R$ 500 em caso de descumprimento da norma e dobrada em caso de reincidência. Além disso, as multas aplicadas seriam revertidas para o Fundo Municipal de Apoio ao Deficiente (FMAD).

Conforme razões apresentadas pela prefeitura para os vetos, a Constituição Federal assegura o direito ao contraditório e ampla defesa e isso não estava explícito na norma. O projeto também atribuía ao Executivo a responsabilidade sobre a fiscalização sobre a lei, quando, de acordo com a Lei Orgânica do município, “é vedado a qualquer dos Poderes delegar atribuições”, ficando apenas a cargo do Executivo a “criação, estruturação e atribuições dos órgãos e entidades”.

O debate

Ao defender a derrubada do veto, Valdemir Soares lembrou que a matéria foi amplamente debatida em plenário e com os segmentos envolvidos. O parlamentar ainda considerou a justificativa do veto “fraca e desnecessária”. “O veto parcial impede que o estabelecimento seja multado se não cumprir a lei. Torna uma lei vazia, que não existe, irrelevante. Há uma classe social que precisa de todo respeito, todo amparo do poder público. A anulação da multa só favorece os grandes empresários da cidade”, defendeu.

Em apartes, o autor da proposta recebeu o apoio de alguns parlamentares, como o líder do PMN, Chico do Uberaba. “A pergunta que faço é: qual é a lei que estabelece o direito do habeas corpus? O princípio do contraditório está estabelecido na Constituição [Brasileira] e não precisa estar contido na lei. Todo cidadão tem direito ao contraditório, à ampla defesa”, disse Jorge Bernardi (PDT), também em crítica às razões do veto.

Líder do prefeito, Pedro Paulo (PT) encaminhou pela manutenção do veto. Para ele, é comum juristas terem interpretações diferentes sobre a aplicabilidade de uma lei. “Discordo ser necessário a penalização para o cumprimento de uma regra. Retirar a multa não é tornar a iniciativa inócua. Ela será inócua se todos se omitirem, se a sociedade se omitir, se o Executivo se omitir, se todos esquecerem que a regra existe", opinou.

O parlamentar lembrou, ainda, que alertou aos pares para problemas quanto ao mérito e à constitucionalidade da proposta. “A demonstração de compromisso desta Casa, através do autor de uma matéria, é com o debate de políticas públicas. Essa iniciativa tem que ser destacada. É importante implantar dispositivos que facilitem a vida da pessoa com deficiência, mas não podemos considerar normal a invasão de atribuições”, destacou Pedro Paulo.

Toninho da Farmácia (PP) também foi um dos vereadores que se manifestaram favoráveis ao veto parcial: “se temos uma lei que obriga a ter um profissional qualificado para fazer o acompanhamento exclusivo de um deficiente visual, um mercado pequeno não tem condições para manter esse funcionário”.

Também participaram do debate os vereadores Professora Josete (PT), Aldemir Manfron (PP) e Zé Maria (SDD). A votação do veto parcial ocorreu em turno único, em votação aberta e nominal. O veto só poderia ser derrubado por maioria absoluta de votos contrários – de 20 dos 38 parlamentares. Mantido o veto, a lei permanece como foi sancionada em novembro último.


 
Reprodução do texto autorizada mediante citação da Câmara Municipal de Curitiba.


Arquivos para download:
Voltar
 

Este legislativo municipal oferece através de seu site uma visão geral dos trabalhos realizados em prol da cidade de Curitiba. Acompanhe nesta ferramenta o trabalho dos vereadores, a execução do orçamento, e tenha acesso a diversas informações institucionais e de funcionamento. Nosso objetivo maior é o de dar transparência aos trabalhos aqui realizados. Lembramos que este site está em constante atualização e melhoria. Sua visita frequente é muito importante.

© 1997 - 2018 - Câmara Municipal de Curitiba - todos os direitos reservados

Câmara Municipal de Curitiba - Rua Barão do Rio Branco, 720 - Curitiba - Paraná - Brasil - CEP: 80010-902
Fone: (41) 3350-4500 - Fax: (41) 3350-4737 - Email geral:
camara@cmc.pr.gov.br

Esse site pode ser melhor visualizado nos seguintes navegadores: Firefox 29, IE 11, Chrome 35 ou versões superiores.