back index CÂMARA MUNICIPAL
CURITIBA

Curitiba, 24 de junho de 2017
 
Sim Não
controle de spam, digite o código no campo acima
Email Versão para impressão

Data: 05/04/2017 - 16:11:42

Federação pede atenção à manutenção
das comunidades terapêuticas

  • Thiago Aguilar Massolin, presidente da Federação Paranaense de Comunidades Terapêuticas Associadas, esteve na tribuna livre desta quarta-feira. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • “Uma das coisas que me trouxe a ser vereador é a drogadição, porque é algo que eu vejo tanto na nossa cidade”, revelou Ezequias Barros. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Vice-presidente da Frente Parlamentar Contra as Drogas, Dr. Wolmir Aguiar (PSC) fez a abertura da tribuna livre. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Julieta Reis falou da importância das comunidades na ajuda às famílias dos dependentes químicos. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Noemia Rocha questionou o custo mensal de um paciente nas comunidades. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • A realização da Conferência Municipal sobre Drogas foi questionada pelo vereador Goura. (Foto: Chico Camargo/CMC)
A elaboração de um projeto de lei que estabeleça a criação de vagas em comunidades terapêuticas, além da previsão de verbas para a manutenção destes equipamentos, foi sugerida pelo presidente da Federação Paranaense de Comunidades Terapêuticas Associadas, Thiago Aguilar Massolin, durante a tribuna livre desta quarta-feira (5), na Câmara Municipal de Curitiba. A iniciativa do debate foi do vereador Ezequias Barros (PRP), presidente da Frente Parlamentar Contra as Drogas. “Vamos buscar construir um projeto que dê sustentabilidade às comunidades terapêuticas”, garantiu Barros.

Segundo Massolin, ampliar a rede de atendimento aos usuários de drogas é uma medida necessária, considerando que estas entidades atendem quase 90% da demanda nacional de vagas em centros para recuperação de dependentes químicos. “Se não houver uma atenção a estes equipamentos, haverá uma sobrecarga no setor de saúde. Hoje em Curitiba só há 12 vagas em Centros de Atenção Psicossocial”, disse.

Thiago Massolin contou sobre o esforço da Federação em qualificar o trabalho exercido pelas comunidades terapêuticas em auxílio das pessoas com vício em álcool e outras drogas, e também de amparo a seus familiares. “O trabalho das comunidades é desafiador, assim como falar da complexidade da dependência química hoje”, revelou. “Diferente de outros estados, nosso segmento pouco tem sido reconhecido pelo poder público no exercício do seu trabalho. O problema da dependência química, como o uso do craque, é que se tornou uma pandemia, por isso precisamos de atenção. É urgente incorporar as comunidades nas redes de saúde para se ter atendimento mais facilitado”, assegurou.

A vereadora Julieta Reis (DEM) falou da importância das comunidades na ajuda às famílias dos dependentes químicos e de como este trabalho é fundamental. “Quando não podemos encaminhar pessoas aos CAPS, sabemos que podemos contar com instituições ligadas aos grupos religiosos. Podemos também pensar em questões orçamentárias, em maneiras de ajudar”, disse.

Respondendo ao questionamento da vereadora Noemia Rocha (PMDB), Thiago Massolin informou que o custo médio mensal para se atender um paciente nas comunidades é de R$ 2,5 mil. Para ele, a criação de uma lei específica que trata das comunidades permitirá que o custeio não seja descontinuado em caso de mudança de gestão.

O papel da Conferência Municipal sobre Drogas e a descriminalização das drogas, com o uso medicina da maconha, por exemplo, foram questionadas pelo vereador Goura (PDT). Thiago Massolin afirmou que o conselho é “fundamental”, mas que este mecanismo de participação social, assim como o Executivo precisam garantir o atendimento das necessidades das famílias e dos usuários que enfrentam os problemas das drogas.

“[Queremos] que eles realmente tenham voz, que seja ouvida a voz do povo. Que não haja aparelhamento de grupos ideológicos, como foi o que aconteceu e deixem de ouvir aquilo que as pessoas realmente precisam”, criticou. Sobre o segundo tema, Massolin opinou que, antes de se pensar sobre a legalização das drogas, é preciso “pensar uma estratégia de tratamento e prevenção, para depois discutir a legalização. Dependendo do resultado, precisaremos de mais espaço para atendermos uma demanda que pode aumentar”, ponderou.

Também participaram do debate da tribuna livre os vereadores Maria Manfron (PP), Osias Moraes (PRB), Professores Josete (PT), Thiago Ferro (PSDB), Tito Zeglin e Zezinho Sabará, ambos do PDT.


Texto:   Claudia Krüger
Revisão:   Filipi Oliveira
 
Reprodução do texto autorizada mediante citação da Câmara Municipal de Curitiba.


Arquivos para download:
Voltar
 

Este legislativo municipal oferece através de seu site uma visão geral dos trabalhos realizados em prol da cidade de Curitiba. Acompanhe nesta ferramenta o trabalho dos vereadores, a execução do orçamento, e tenha acesso a diversas informações institucionais e de funcionamento. Nosso objetivo maior é o de dar transparência aos trabalhos aqui realizados. Lembramos que este site está em constante atualização e melhoria. Sua visita frequente é muito importante.

© 1997 - 2017 - Câmara Municipal de Curitiba - todos os direitos reservados

Câmara Municipal de Curitiba - Rua Barão do Rio Branco, 720 - Curitiba - Paraná - Brasil - CEP: 80010-902
Fone: (41) 3350-4500 - Fax: (41) 3350-4737 - Email geral:
camara@cmc.pr.gov.br

Esse site pode ser melhor visualizado nos seguintes navegadores: Firefox 29, IE 11, Chrome 35 ou versões superiores.