back index CÂMARA MUNICIPAL
CURITIBA

Curitiba, 11 de dezembro de 2017
 
Sim Não
controle de spam, digite o código no campo acima
Email Versão para impressão

Data: 26/06/2017 - 19:24:35

Admitidas 15 emendas ao projeto
que congela planos de carreira

  • Mudança nas leis do funcionalismo teve o maior número de emendas aprovadas. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Líder do prefeito, Pier Petruzziello foi discreto, orientando a bancada na hora das votações. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • "O que será que faz um vereador mudar de ideia na hora da votação?", questionou Felipe Braga Côrtes. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • "Quer proteção do servidor público, respeite os direitos do servidor", cobrou Mestre Pop. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Resultado da votação do projeto que congela os planos de carreira. (Reprodução do painel de votação/YouTube)

Dos projetos do chamado Plano de Recuperação votados nesta segunda-feira (26), a iniciativa que congela as carreiras do funcionalismo foi a que mais sofreu alterações. O texto-base foi aprovado com 26 votos favoráveis e 10 contrários (005.00196.2017). Das 21 emendas protocoladas, 15 foram acatadas pelos vereadores da Câmara de Curitiba.
 
Nessa relação está o prazo de 3 meses para a formação das comissões que revisarão os planos de carreira (034.00018.2017), cujo prazo para conclusão dos trabalhos será de até 18 meses (032.00014.2017), e a garantia de pagamento das licenças-prêmio não fruídas como indenização (034.00034.2017). Ambas foram destacadas pelo líder do prefeito, Pier Petruzziello (PTB), como oriundas da negociação com os sindicatos do funcionalismo público.
 
A licença-prêmio, que seria extinta para novos servidores municipais, também foi mantida (033.00003.2017), com o pagamento sendo equivalente à remuneração integral descontadas indenizações e gratificações (034.00039.2017). Contudo, passa a ser regra fruir a licença nos cinco anos seguintes à aquisição (034.00036.2017).
 
Houve mudança na punição ao servidor que faltar injustificadamente ao trabalho, que passa a ser de dois dias de desconto no auxílio refeição por ausência (034.00030.2017). Antes bastava uma falta para ter o benefício integralmente afetado. O vereador Tico Kuzma (Pros) encaminhou favoravelmente à mudança durante o debate. O auxílio-funeral, objeto de duas emendas (034.00033.2017), passou a ser de R$ 3 mil.
 
Uma emenda projeta que, se houver disponibilidade orçamentária, todas as suspensões oriundas do Plano de Recuperação deixam de valer em dezembro de 2019 (034.00035.2017). Da mesma forma, a data-base de 2019 em diante ocorreria em março, depois de seu cálculo, em 2017 e 2018, acontecer no mês de novembro (034.00038.2017).
 
Também foram aprovadas emendas mais técnicas, como a que suprime o artigo 15 (033.00009.2017), alteração na ementa do projeto de lei (034.00016.2017), regulamentação da licença-prêmio (034.00021.2017), ajuste em norma citada (034.00031.2017) e gratificação natalina (034.00041.2017).
 
“Acima do partido”
Vereador do PSC, Mestre Pop aderiu ao bloco que se opôs ao Plano de Recuperação e fez críticas à forma como a votação aconteceu. “Acima do que o meu partido diz, o ser humano primeiro. Quer proteção do servidor público, respeite os direitos do servidor. Eu jamais pensei que isso que está acontecendo chegasse a tamanhas proporções. Lá fora e aqui dentro tem um efetivo gigantesco da segurança pública. O servidor público é tratado pior que bandido”, criticou.
 
Noemia Rocha (PMDB) buscou expor o fato de vereadores que aprovaram os planos de carreira na gestão Gustavo Fruet agora, no governo Greca, acatavam o congelamento. “A leitura da população é que a gente vota e depois ‘desvota’, conforme a conveniência. Quem garante que o adiamento significa que, lá na frente, haverá pagamento?”, perguntou.

Felipe Braga Côrtes (PSD) também questionou a mudança de posicionamento dos parlamentares. “O que será que faz mudar a opinião de um vereador que assinou as emendas [derrubadas] na Comissão de Legislação?”, insistiu. Cinco propostas de alteração da oposição foram derrubadas pela base (034.00020.2017, 033.00002.2017, 034.00017.2017, 034.00024.2017 e 034.00019.2017). Uma foi retirada e nem entrou em votação (032.00012.2017).
 
“[O Plano de Recuperação] não resolve o problema [financeiro], só muda de lugar. Tira da prefeitura e põe no colo dos servidores”, comentou Professor Euler (PSD). “Ontem assisti a um vídeo do prefeito [Greca] encontrando uma servidora inativa, ele dizia que ia honrar o plano. É inadmissível que as pessoas continuem mentindo e se elegendo. Pouca vergonha. Se aprovarmos a mentira, estamos desmoralizando o parlamento”. Cacá Pereira (PSDC) e Goura (PSD) também criticaram a medida. Nenhum vereador da base do prefeito defendeu o projeto ou rebateu as críticas feitas pela oposição.

 

Leia também do Plano de Recuperação:
Vereadores aprovam mudanças na Previdência municipal

Aprovadas 15 emendas ao projeto que congela planos de carreira

Para saldar contas, Câmara aprova leilão de dívidas do Município

Com emendas, aprovada Lei de Responsabilidade Fiscal Municipal



Texto:   José Lazaro Jr.
Revisão:   Filipi Oliveira
 
Reprodução do texto autorizada mediante citação da Câmara Municipal de Curitiba.


Arquivos para download:
Voltar
 

Este legislativo municipal oferece através de seu site uma visão geral dos trabalhos realizados em prol da cidade de Curitiba. Acompanhe nesta ferramenta o trabalho dos vereadores, a execução do orçamento, e tenha acesso a diversas informações institucionais e de funcionamento. Nosso objetivo maior é o de dar transparência aos trabalhos aqui realizados. Lembramos que este site está em constante atualização e melhoria. Sua visita frequente é muito importante.

© 1997 - 2017 - Câmara Municipal de Curitiba - todos os direitos reservados

Câmara Municipal de Curitiba - Rua Barão do Rio Branco, 720 - Curitiba - Paraná - Brasil - CEP: 80010-902
Fone: (41) 3350-4500 - Fax: (41) 3350-4737 - Email geral:
camara@cmc.pr.gov.br

Esse site pode ser melhor visualizado nos seguintes navegadores: Firefox 29, IE 11, Chrome 35 ou versões superiores.