back index CÂMARA MUNICIPAL
CURITIBA

Curitiba, 20 de outubro de 2017
 
Sim Não
controle de spam, digite o código no campo acima
Email Versão para impressão

Data: 07/08/2017 - 13:38:00

Vereadores divergem em plenário
sobre “Segunda sem carne”

  • Goura: "Quem sabe a gente construa um novo modelo de como a alimentação deva ser servida nas escolas municipais e nos CMEIs. As fotos e os relatos que chegaram até nós são calamitosos". (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Mestre Pop: "O projeto não condiz com a realidade da nossa Curitiba. Ao retirar a carne da dieta escolar uma vez por semana, estaríamos privando as crianças de um direito". (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Katia Dittrich: "A 'Segunda sem carne' é um projeto que existe em todo o mundo. Eu me tornei vegetariana, há seis anos, devido à campanha". (Foto: Chico Camargo/CMC)
Protocolado na semana passada, o projeto que pretende instituir a campanha internacional “Segunda sem carne” na rede municipal de ensino repercutiu na sessão desta segunda-feira (7) da Câmara de Curitiba. O vereador Goura (PDT), que assina a proposta de lei (005.00286.2017) com Fabiane Rosa (PSDC) e Katia Dittrich (SD), abriu a discussão. “Recebemos diversas mensagens de professores e diretores de escolas e CMEIs falando da situação calamitosa das refeições servidas, o que suscitou um debate muito mais amplo”, afirmou.

Goura declarou que o contrato com a empresa que serve as refeições aos alunos da rede municipal vence em março de 2018, e que até lá o modelo deve ser debatido inclusive com a participação da Comissão de Educação. “Alimentação não é apenas nutrição, também é educação. Quem sabe a gente construa um novo modelo de como a alimentação deva ser servida nas escolas municipais e nos CMEIs. As fotos e os relatos que chegaram até nós são calamitosos, realmente preocupantes”, avaliou.

Sobre a “Segunda sem carne”, o vereador argumentou que a campanha pretende substituir, uma vez por semana, a proteína animal pela vegetal e tem o apoio da ONU (leia mais). “18% das emissões do efeito estufa são causadas pela pecuária”, citou. “Minha filha é vegetariana e neste segundo semestre está matriculada na rede municipal. Já temos alguns avanços. O aluno, por requerimento, pode ter a opção de uma dieta vegetariana. Ainda não veio para ela o requerimento, demora um pouquinho.”

Em seguida, Mestre Pop (PSC) foi à tribuna e discordou da iniciativa: “O projeto não condiz com a realidade da nossa Curitiba. Ao retirar a carne da dieta escolar uma vez por semana, estaríamos privando as crianças de um direito que o Município oferece a elas”. Para ele, muitas crianças carentes têm como “estímulo maior de ir à escola a alimentação”.

Felipe Braga Côrtes (PSD) também disse ser contrário à proposta. “Não vejo como razoável obrigar a escola a não oferecer carne, substituir por alimento vegetal, soja ou outro. Ao se fazer uma lei para não poder ter carne se tira o direito daquele que quer comer”, opinou. Líder do prefeito na Casa, Pier Petruzziello (PTB) avaliou que “não há como o legislador impor uma situação como esta, de vai comer isto, não vai comer aquilo”.

Coautora da matéria, Katia disse que em conversa na Secretaria Municipal da Educação (SME) explicaram a ela que, caso a iniciativa seja aprovada e implementada, não seria aplicada na segunda-feira, “que é o dia em que a criança volta à escola, do fim de semana”. “A 'Segunda sem carne' é um projeto que existe em todo o mundo. Eu me tornei vegetariana, há seis anos, devido à campanha. Seria também uma forma de incentivar a agricultura familiar. Quando nós éramos crianças, sem os hipermercados, comíamos carne uma vez por semana”, apontou.

Para o Professor Euler (PSD), presidente da Comissão de Educação, “obviamente a intenção dos vereadores é a melhor possível”. Na avaliação dele, “o projeto em si passa a ser secundário”, diante da discussão sobre a alimentação saudável. “O pai que não quer que o filho coma carne que exponha [essa opção]”, acrescentou Ezequias Barros (PRP).

Goura também encerrou o debate: “Muitos dias da semana [o cardápio da rede] já não tem carne. Carne não é sinônimo de nutrição. A proposta não é deixar em um dia a alimentação pior. Não é só comer alface, de forma alguma. Está aberta a discussão, [o projeto] está tramitando”.



Texto:   Fernanda Foggiato
Revisão:   Claudia Krüger
 
Reprodução do texto autorizada mediante citação da Câmara Municipal de Curitiba.


Arquivos para download:
  • Fotos:
Voltar
 

Este legislativo municipal oferece através de seu site uma visão geral dos trabalhos realizados em prol da cidade de Curitiba. Acompanhe nesta ferramenta o trabalho dos vereadores, a execução do orçamento, e tenha acesso a diversas informações institucionais e de funcionamento. Nosso objetivo maior é o de dar transparência aos trabalhos aqui realizados. Lembramos que este site está em constante atualização e melhoria. Sua visita frequente é muito importante.

© 1997 - 2017 - Câmara Municipal de Curitiba - todos os direitos reservados

Câmara Municipal de Curitiba - Rua Barão do Rio Branco, 720 - Curitiba - Paraná - Brasil - CEP: 80010-902
Fone: (41) 3350-4500 - Fax: (41) 3350-4737 - Email geral:
camara@cmc.pr.gov.br

Esse site pode ser melhor visualizado nos seguintes navegadores: Firefox 29, IE 11, Chrome 35 ou versões superiores.