Análise estrutural da Ponte Preta pode ser concluída em setembro

por José Lazaro Jr. — publicado 27/08/2020 16h00, última modificação 15/09/2020 19h46
Análise estrutural da Ponte Preta pode ser concluída em setembro

Danilo Bobato, da Amitech Tecnologia, e a Comissão de Pontes e Viadutos da CMC visitaram a Ponte Preta nesta quinta. (Foto: Carlos Costa/CMC)

Na manhã desta quinta-feira (27), a Comissão Especial de Pontes e Viadutos visitou as instalações da Ponte Preta, na rua João Negrão, próxima à esquina com a avenida Sete de Setembro, para uma demonstração da tecnologia de “nuvem de pontos”, que a empresa Amitech Tecnologia utilizará na verificação da estrutura. Danilo Bobato explicou aos vereadores da Câmara Municipal de Curitiba (CMC) o funcionamento do laser scanner e disse que em quinze dias já terá “uma análise bem evoluída”.

A Amitech fará gratuitamente para a Comissão de Pontes a verificação da Ponte Preta. A estrutura metálica, datada de 1944, fazia parte do complexo ferroviário da região, sendo desativada na década de 1970, com a inauguração da rodoferroviária. Ela foi incluída no patrimônio cultural de Curitiba em 1976 e, em 2012, foi restaurada. Com 32,8 metros de comprimento e 3,6 metros de altura no vão central, constantemente caminhões colidem contra a Ponte Preta. A expectativa é que a análise por meio da “nuvem de pontos” revele se esses acidentes abalaram, ou não, a estrutura dela.

“Com múltiplas varreduras, o laser scanner faz a captura da realidade do ambiente. Os raios são emitidos e retornam com uma coordenada. Depois esses pontos são interpretados com a ajuda de softwares especializados. Pode-se identificar patologias, como infiltrações, e até ferrugem que possa causar complicação à estrutura”, explicou Danilo Bobato aos parlamentares. Ele adiantou que, para uma empresa de arquitetura parceira, “há 13,14 anos” realizaram uma análise da Ponte Preta. “Vai ser possível comparar e ver o que aconteceu neste tempo”.

Instalada em novembro de 2019, a Comissão Especial de Pontes e Viadutos da Câmara de Curitiba foi prorrogada até setembro para concluir o escaneamento em 3D da estrutura potencialmente ameaçada da Ponte Preta. A comissão é presidida por Mauro Ignácio (DEM), Bruno Pessuti (Pode), Cacá Pereira (Patriota), Wolmir Aguiar (Republicanos), Marcos Vieira (PDT), Maria Manfron (PP), Oscalino do Povo (PP), Professor Silberto (MDB), vice-presidente, e Serginho do Posto (DEM).

“A comissão quer colaborar para a criação de uma rotina de manutenção periódica em Curitiba, identificando potenciais riscos e prevenindo que pontes e viadutos entre em colapso”, disse Pessuti, resumindo os objetivos do grupo. Ele e Ignácio estiveram na atividade. Neste ano, o grupo de parlamentares já inspecionou as obras da trincheira na rua general Mário Tourinho, no Seminário e pontes no Bairro Alto, por exemplo (confira o balanço das atividades).
 
Restrições eleitorais
A cobertura jornalística dos atos públicos do Legislativo será mantida durante o período eleitoral, objetivando a transparência e o serviço útil de relevância à sociedade. Também continua normalmente a transmissão das sessões plenárias e reuniões de comissões pelas mídias sociais oficiais do Legislativo (YouTubeFacebook e Twitter). Entretanto, citações, pronunciamentos e imagens dos parlamentares serão controlados editorialmente até as eleições, adiadas para o dia 15 de novembro de 2020, em razão da pandemia do novo coronavírus.
 
Em respeito à legislação eleitoral, não serão divulgadas informações que possam caracterizar uso promocional de candidato, fotografias individuais dos parlamentares e declarações relacionadas aos partidos políticos. As referências nominais aos vereadores serão reduzidas ao mínimo razoável, de forma a evitar somente a descaracterização do debate legislativo (leia mais).