Conflitos do transporte II: a pau e pedras, a revolta dos carroceiros

por Fernanda Foggiato — publicado 19/05/2016 13h10, última modificação 03/09/2020 19h03
Conflitos do transporte II: a pau e pedras, a revolta dos carroceiros

Carroceiros da estação ferroviária em meados de 1940. (Foto: Acervo Cid Destefani)

Responsáveis até então pelo transporte de cargas entre a estação ferroviária e as casas comerciais da cidade, os carroceiros de Curitiba não aceitaram a circulação dos bondes de mulas, a partir de novembro de 1887. “Os bondes logo foram execrados pelos carroceiros em razão da competição que faziam quanto ao transporte de cargas”, resgatou em 2012 o jornalista Cid Destefani, na coluna “Nostalgia”, do jornal “Gazeta do Povo”.

Segundo anúncio veiculado na imprensa pela empresa Ferro Carril Curitybana, para bagagens e encomendas eram cobrados 100 réis para até 30 quilos; mais do que esse peso, a taxa era de 40 réis a cada 15 quilos. Havia ainda preços tabelados para que os carris levassem cargas urbanas, de importação e de exportação.

Os bondes carregavam de tudo, como criticou o editorial do jornal “Dezenove de Dezembro”, na edição de 4 de fevereiro de 1888. Em plena rua da Imperatriz (atual XV de Novembro), o vagão recebeu “um enorme caixão e outros volumes, ao chegar em frente à casa do Sr. Fernandes Loureiro”. “Pergunta-se: é isso admissível?”, alfinetou o veículo de comunicação. Além da incômoda carga no bonde exclusivo para passageiros, o jornal disse que a viagem atrasou devido à parada.

Nem uma semana após a viagem inaugural, o jornal “Gazeta Paranaense” já relatava ataques aos bondes, o que chamou de “perversidade”. “Aproveitando a escuridão da noite – esta irmã do crime, lançam sobre os trilhos dos bonds enormes pedras e atravessam-n'os com imensos pedaços de páos.” Ainda de acordo com a publicação, no dia em que o sistema começou a operar já houve sabotagens, justamente ao veículo em que seguia o chefe de polícia. Ele, então, colocou seis policiais à disposição da empresa Curitybana, para coibir os atos.

O gerente da empresa, no entanto, dispensou a atuação dos “praças”. A “Gazeta Paranaense” relatou, no dia 30 de novembro, um princípio de conflito na antiga rua Matto Grosso. Um carroceiro, após descarregar, não saiu dos trilhos para dar passagem ao bonde, apesar dos apitos. Ele teria dito que estava descansando. Os funcionários do empresa Curitybana, então, tentaram retirar a carroça dali, o que chamou a atenção de outros carroceiros, que saíram em defesa do colega e deram início a um “grosso salceiro”.

Os casos continuaram. Quem conta, desta vez, é o jornal “A Republica”, na edição de 8 de novembro de 1888. De acordo com o relato, carroceiros que transportavam barro para o Largo do Mercado (antiga Cadeia Pública de Curitiba e atual Paço Municipal) ocuparam os trilhos. O bonde ficou parado por pelo menos 15 minutos: “Por apitos successivos, retiraram-se apressadamente. Pedimos providencias para abusos de tal ordem”.

Em 1895, o Código de Posturas Municipais instituiu uma multa de 5 mil réis para qualquer pessoa que atrapalhasse a circulação dos bondes, fosse por parar veículos nos trilhos ou por tentar sabotá-los com paus, pedras e outros objetos que impedissem o trânsito ou levassem ao risco de descarrilhamento. No final de abril de 1896, os carroceiros de Curitiba fizeram uma greve. Segundo “A Republica”, aqueles que queriam trabalhar eram ameaçados. Os colonos, depois da venda de seus produtos, ajudaram a transportar cargas, sob a proteção da polícia.

Dois anos e meio depois, uma norma municipal disciplinou o trabalho da categoria. A lei 13 de 1898, publicada pelo jornal  “O Municipio”, apontado como o “órgão da municipalidade de Curityba”, normatizou o serviço de transporte de cargas, inclusive nos bondes. As matrículas, de carroceiros, cocheiros, condutores e carregadores, eram emitidas pela Câmara Municipal apenas para maiores de 14 anos de idade.

Leia também:

Conflitos do transporte: “fura-catracas” de hoje são “pula-bondes” de ontem

Conflitos do transporte III: A alfafa subiu? A tarifa também...

Antes dos primeiros “omnibus”, os bondes puxados por mulas

A história da Garagem de Bondes de Curitiba


Confira mais reportagens históricas sobre Curitiba na seção “Nossa Memória”.


Nota: As citações de atas e notícias, entre aspas, são reproduções fiéis dos documentos pesquisados. Por isso, a grafia original não foi modificada.


Referências Bibliográficas - “Conflitos do transporte II: a pau e pedras, a revolta dos carroceiros”

Lei 13 de outubro de 1898. Disponível no jornal “O Municipio”. Curitiba, PR. 19\11\1898. Acesso em:
http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=720917&pesq=carroceiros&pasta=ano%20189

Jornal A República. Curitiba, PR. 08/10/1888. Acesso em:
http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=215554&PagFis=163

Jornal A República. Curitiba, PR. 26/04/1896. Acesso em:
http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=215554&PagFis=6335

Jornal Dezenove de Dezembro. Curitiba, PR. 04|02|1888. Acesso em:
http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=416398&PagFis=15263

Jornal Gazeta do Povo. Coluna Nostalgia. Curitiba, PR. 30/11/2012. Acesso em: http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/colunistas/nostalgia/no-tempo-do-bonde-48zs4f7rcnqewsj2nai3ytiz2

Jornal Gazeta Paranaense. Curitiba, PR. 10/11/1887. Acesso em:
http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=242896&PagFis=2031

Jornal Gazeta Paranaense. Curitiba, PR. 30/11/1887. Acesso em:
http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=242896&PagFis=2094

Pereira, Magnus Roberto de Mello (org). Posturas municipais – Paraná, 1829 a 1895. Editora Quatro Ventos. Curitiba, 2003.