Novo site da CMC aproxima população do trabalho dos vereadores

por José Lazaro Jr. — publicado 31/08/2020 16h30, última modificação 31/08/2020 20h41
A Ouvidoria, a Procuradoria da Mulher, a Controladoria e o Conselho de Ética estão a um clique de distância da população.
Novo site da CMC aproxima população do trabalho dos vereadores

Novo site das CMC aposta em vídeo, acessibilidade e transparência para estreitar relacionamento com a população. (Foto: Rodrigo Fonseca/CMC)

Sessões plenárias, comissões e audiências públicas passam a ser transmitidas ao vivo, na capa do novo site da Câmara Municipal de Curitiba (CMC). A Ouvidoria, a Procuradoria da Mulher, a Controladoria e o Conselho de Ética estão a um clique de distância da população. Tratadas com dignidade, pessoas com deficiência poderão desfrutar do conteúdo do site com a adoção do sistema VLibras de acessibilidade. Essas são algumas das mudanças que o portal, lançado nesta segunda-feira (31) pela CMC, traz para o relacionamento do Legislativo com os moradores da cidade.

“Com a modernização, melhoramos a hierarquização do conteúdo, priorizando ações e campanhas institucionais, além de dar mais visibilidade às atividades da Câmara, com transmissão em tempo real, com lives e vídeos. De acordo com pesquisas da Cisco, os vídeos são 60% do tráfego da internet hoje. Até o final do ano, deve chegar a 80%. As pessoas preferem o conteúdo audiovisual, então a CMC passa a estar integrada à realidade do consumo na internet”, afirmou Filipi Oliveira, diretor de Comunicação Social da Câmara, que fez a apresentação do novo site em plenário (confira aqui).

“A plataforma tem responsividade, podendo ser visibilizada com eficiência em vários tamanhos de tela, principalmente nos smartphones. O site foi construído neste novo paradigma, de mobile first, com ênfase nos celulares em vez dos desktops. Assim a gente avança na experiência do usuário. [O novo site] era uma demanda muito antiga da CMC e, em oito meses, com baixíssimo investimento, obtivemos um bom resultado”, avaliou Oliveira. A Diretoria de Comunicação produziu um vídeo explicativo para divulgar as novas funcionalidades do site, que pode ser visto aqui e nas redes sociais do Legislativo (Facebook, Twitter e Instagram).

“Quero cumprimentar os diretores [da CMC], pois [o site novo] estava encalhado há cinco anos, pelo menos, e eles não mediram esforços para pôr o site no ar”, afirmou Sabino Picolo (DEM), presidente do Legislativo, em nome da Mesa Diretora. Ele destacou o trabalho da 3ª secretária, Noemia Rocha, na efetivação do projeto. Também compõem a Mesa o 1º vice-presidente Tito Zeglin (PDT), o 2º vice Wolmir Aguiar (Republicanos), o 1º secretário Colpani (PSB), o 2º secretário Professor Euler (PSD) e a 4º secretária Maria Letícia (PV).

A etapa seguinte à modernização do portal é a utilização da extensão ".leg", com a CMC passando a hospedar seu conteúdo no novo endereço www.curitiba.pr.leg.br. O objetivo é fortalecer uma identidade virtual padrão do Poder Legislativo na Internet. A realização é das diretorias de Comunicação Social (DCS) e de Tecnologias de Infomação e Comunicação (DTIC). No processo, o site foi totalmente reconstruído, alinhando a CMC às iniciativas nacionais de software livre capitaneadas pelo Interlegis - um programa do Senado Federal, que busca integrar e modernizar os órgãos legislativos do Brasil.

Restrições eleitorais

A cobertura jornalística dos atos públicos do Legislativo será mantida, objetivando a transparência e o serviço útil de relevância à sociedade. Também continua normalmente a transmissão das sessões plenárias e reuniões de comissões pelas mídias sociais oficias do Legislativo (YouTubeFacebook e Twitter). Entretanto, citações, pronunciamentos e imagens dos parlamentares serão controlados editorialmente até as eleições, adiadas para o dia 15 de novembro de 2020, em razão da pandemia do novo coronavírus.

Em respeito à legislação eleitoral, não serão divulgadas informações que possam caracterizar uso promocional de candidato, fotografias individuais dos parlamentares e declarações relacionadas aos partidos políticos. As referências nominais aos vereadores serão reduzidas ao mínimo razoável, de forma a evitar somente a descaracterização do debate legislativo (leia mais).